terça-feira, 1 de abril de 2014

Shimano apresenta novo grupo 105 de 11 velocidades e rodas tubeless para disco

Novo grupo 5800 tem câmbio de 11 velocidades e é compatível com freios a disco

Roda legenda
WH-RH830: Tubeless e aros de carbono
Do BikemagazineFotos de divulgação
A Shimano anunciou nesta segunda-feira (31 de março) o lançamento do grupo Shimano 105 5800 e das rodas WH-RX830. O novo grupo agora tem 11 velocidades e ganhou freios a disco. Já as rodas, são tubeless, com aros de carbono, e compatíveis com com o sistema de freios a disco.
O lançamento traz algumas características dos grupos de alta gama Ultegra e Dura-Ace. Para garantir trocas de marchas mais rápidas e precisas, a Shimano redesenhou os trocadores e os câmbios e os cabos são revestidos de polímero.
manete
Versão do trocador para freio a disco
Os trocadores ficaram mais compactos e os manetes têm ajuste de distância em até 10mm. O câmbio dianteiro tem um braço maior e ganhou um novo mecanismo da mola. O câmbio traseiro também recebeu um novo mecanismo da mola e ajuste do cabo para melhor a regulagem.
O pedivela agora tem a aranha de quatro braços da Dura-Ace e é oferecido na versão compacta, compatível com qualquer tamanho de coroa. As coroas disponíveis são 34, 36, 39, 50, 52 e 53 dentes. Já o novo cassete de 11 velocidades é oferecido com as relações 12×25, 11×28 e 11×32.
calipe
Pinças com a tecnologia Ice Tech
Os freios a disco (Direct Mount BR-5810) agora estão 10% mais potentes graças ao pivô duplo simétrico da pinça e acomodam pneus de até 28C. Os trocadores STI estão mais compactos e trazem seu interior um discreto reservatório de óleo mineral. As pinças BR-RS785 tiveram a rota das mangueiras otimizadas (Straight Type) e são equipadas com o sistema de arrefecimento por aletas Ice Tech, que já é empregado há anos nas pinças dos grupos de alta gama do mountain bike.
A potência de frenagem pode ser ajustada para diferentes condições de terreno, habilidade e até peso do ciclista. Os rotores Freeza SM-RT99 são disponíveis nos diâmetros 140mm (standard) ou 160mm.
As novas rodas WH-RX830 são tubeless e têm os aros 17C feitos de carbono laminado. Os cubos têm rolamentos do tipo Cup & Cone (copo e cone) e sistema Center Lock para os discos.
O novo grupo 105 5800 deve chegar ao mercado mundial agosto e as rodas em setembro de 2014.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Nova bike reclinada de carbono atinge 102,6km/h

Saiba mais sobre a Revolution, que é fabricada a mão na Alemanha pela TroyTec

A bike reclinada da Revolution tem 4 versões de quadro
A bike reclinada da Revolution tem 4 versões de quadro
RevolutionMarcos Adami / Bikemagazine
Fotos de divulgação
Bicicletas reclinadas são raras e pouco difundidas no Brasil, mas elas têm seus fãs. Também chamadas de bicicletas horizontais ou “Recumbents”, elas têm a grande vantagem da aerodinâmica, já que o ciclista vai praticamente deitado sobre um confortável assento que mais parece uma poltrona.
Bikes reclinadas atingem velocidades mais altas com razoável facilidade e não raro ultrapassam os 100km/h.
No universo das reclinadas, uma das novidades é o modelo alemão Revolution, que registrou 102,6km/h num trecho de descida. A Revolution é fabricada a mão na Alemanha pela TroyTec, empresa criada em 2009 em Munique pelos engenheiros mecânicos Tobias Albert e Dominik Rodatus e que oferece modelos para competição, cicloturismo e mountain bike.
Bikers podem ser equipadas com pneus largos de MTB
Bikers podem ser equipadas com pneus largos de MTB
O principal destaque da linha Revolution é o quadro feito de fibra de carbono monocoque que é oferecido em quatro diferentes versões, inclusive versão full suspension. O comprador pode escolher o amortecedor, a balança traseira, as rodas, o tipo de guidão, o grupo de transmissão, freios e o assento.
Os modelos Revolution LR e LR-FS (full suspension) têm rodas dianteiras de aro 20 e os modelos HR e HR-FS (full suspension) usam rodas aro 26 na frente e na traseira E podem comportar tanto aro 26 ou aro 28, com pneus de até 35mm. Essa gama de combinações permite à Revolution até 12 diferentes configurações, tanto de estradeiras quanto de mountain bikes.
Bikes podem ser desmontadas e levadas em um case
Bikes podem ser desmontadas e levadas em um case
Com a tecnologia de carbono, as bikes pesam por volta dos 8 quilos. Em testes realizados no túnel de vento, a Revolution registrou 25% menos arrasto aerodinâmico do que uma bike tradicional e o ciclista atinge a velocidade de 44km/h com apenas 250 Watts de potência.
Os modelos “FS” (full suspension) utilizam um pequeno amortecedor na traseira com 75mm de curso que vai sob o assento. Outra funcionalidade da Revolution é que ela pode ser desmontada e acomodada num hard case de transporte em questão de minutos.
Na Europa, o modelo LR e HR custam €4,690. Já as bikes com suspensão saem por €5,290. O prazo de entrega é de 4 semanas.
Veja o vídeo
Visite o site oficial

sábado, 22 de fevereiro de 2014


Shimano Responde: Câmbio cruzado estraga a relação?

Coluna Shimano Responde vai servir de canal para que nossos bikers leitores tirem suas dúvidas técnicas

CÂMBIO CRUZADO - SHIMANO RESPONDEPERGUNTA PROPOSTA PELO BIKEMAGAZINE
Dizem para evitar cruzar a corrente, pois o chamado “câmbio cruzado” estraga a relação. Há mecânicos que afirmam que o ciclista não deve se preocupar com isso.
Quem está com a razão?
RESPOSTA
De acordo com o mecânico Claudinei Souza, assistente técnico da Shimano Latino América, o cruzamento de marchas é permitido e não diminui a vida útil dos componentes da relação, desde que todo o conjunto esteja perfeitamente montado e alinhado de acordo com as normas de utilização e as especificações técnicas da Shimano.
Seja num pedivela de coroa tripla ou dupla, se o conjunto todo está “casado” certinho e alinhado, pode-se cruzar as marchas. Recomendamos que o ciclista esteja sempre atento ao estado da corrente e que faça revisões periódicas na bicicleta. A medição pode ser feita com uma ferramenta especial para essa finalidade em qualquer boa oficina”.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Alemã Corratec desembarca no Brasil com modelos sofisticados

Marca que tem fábrica na Alemanha e presença em 50 países chega ao Brasil

Corratec CCT
O modelo CCT Team vem com grupo Shimano Ultegra
Uma nova marca de bicicletas desenbarcou no Brasil. A alemã Corratec, que tem fábrica na Alemanha e está presente em 50 países, aposta no Brasil com modelos mountain bikes, estradeiras, urbanas e também bikes para o público feminino.
O modelo Revolution SL com Shimano XT
O modelo Revolution SL com Shimano XT
As bikes serão importadas para o Brasil pela Relm Bikes, empresa familiar com sede em São Paulo.
Um dos modelos de destaque é a Corratec Revolution, equipada com grupo Shimano XT e que deve chegar às lojas ao preço final de R$ 20 mil. Já a estradeira Corratec CCT é toda de carbono e equipada com o grupo Shimano Ultegra e vai custar R$ 15.790,00.
O belo modelo C29 One Lady
O belo modelo C29 One Lady
Para as mulheres, o modelo C29 One Lady tem aros 29, grupo Shimano XT, paralamas e bagageiro traseiro, e vai custar R$ 6.250
Mais informações  www.corratec.com

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Nilceu “The Flash” Santos vence última etapa da Volta de São Paulo

Em corrida válida pela Copa da República, pódio reuniu cinco nacionalidades

Nilceu Santos comemora a vitória em São Paulo
Nilceu Santos comemora a vitória em São Paulo
Do Bikemagazine
Foto de divulgação / Ivan Storti
Com o título geral, de montanha, pontos e por equipes definidos, a última etapa da 10ª edição do Tour do Brasil/Volta de São Paulo, neste domingo (16 de fevereiro), em corrida válida pela Copa da República, reuniu sprintistas que até então não tinham visto o pódio.
O vencedor no circuito no Centro Histórico de São Paulo foi Nilceu Santos, que estreia na DataRo. “The Flash” ainda levou para casa o Troféu Copa da República. O atleta fechou as sete voltas no circuito de 9,5 km com o tempo de 01h28min43seg.
O pódio reuniu 4 nacionalidades: o russo Krill Sveshnikov, da Seleção da Rússia, foi o 2º colocado, seguido pelo holandês Robert Hummel, da Androni Giocattoli. O argentino Francisco Chamorro, da equipe Funvic, foi o 4º colocado e o português Samuel Caldeira, da equipe Quinta da Lixa, foi o 5º.
Magno Nazaret: bicampeão do Tour do Brasil/Volta de SP Foto: Sérgio Shibuya
Magno Nazaret: bicampeão do Tour do Brasil/Volta de SP Foto: Sérgio Shibuya
O paulista Magno Prado Nazaret, da Funvic, confirmou o bicampeonato do Tour do Brasil/Volta Ciclística do Estado de São Paulo. Na última etapa, chegou no pelotão principal, garantindo o primeiro lugar na classificação geral, com o tempo de 21h54min38seg, com 1min27seg de vantagem para o segundo colocado, seu companheiro de equipe, Alex Diniz Correia, que totalizou 21h56min05seg. A terceira colocação foi de João Gaspar, da Ironage/Colner, com21g57min07seg.
Na disputa por equipes, a Funvic garantiu mais uma conquista com o tempo de 65h48min07seg e mais de 20 minutos de vantagem para a segunda colocada, a EPM/Une Ciclismo, da Colômbia, com 66h08min16seg. O Clube Dataro fechou o pódio das melhores equipes com 66h12min00seg.
João Gaspar ainda levou os títulos de Montanha e Sub-23, enquanto Alex Diniz Correia venceu por Pontos. Ao todo, 160 ciclistas de seis países – Brasil, Paraguai, Colômbia, Itália, Rússia e Portugal – participaram do evento, em sua décima edição.
Troféu Copa da República
A etapa final do 10º Tour do Brasil também foi válida como Copa da República de Ciclismo. E, para variar, o topo do pódio ficou com um nome bem conhecido na história da prova. Nilceu Santos, o The Flash, garantiu o tricampeonato. “Foi muito emocionante ser tricampeão da Copa da República. O que valorizou ainda mais minha vitória foi o circuito ser difícil e técnico, por isso contei muito com a ajuda da minha equipe no sprint final. Foram dois meses de preparação intensa para a Volta e terminamos com o primeiro lugar na última etapa e o troféu da Copa”, destacou.
“Tenho que agradecer todos da minha equipe que me ajudaram ao longo dos oito dias da Volta Ciclística, principalmente, nos trechos de serras longas, que não é minha especialidade. A prova no geral foi excelente!”, encerrou.
8ª etapa – São Paulo – Circuito – 66,5 km:
1) Nilceu dos Santos (Clube Dataro de Ciclismo/Bottecchia/BRA), 01h28’43”
2) Kirill Sveshnikov* (Russian National Team/RUS), 01h28’43”
3) Kenny Robert van Hummel (Androni Giocattoli/ITA), 01h28’43”
4) Francisco Chamorro (Funvic Brasilinvest/São José dos Campos/BRA), 01h28’43”
5) Samuel Caldeira (OFM/Quinta da Lixa/POR), 01h28’43”
6) Antonio Nascimento (Brasilinvest/Suzano/Eqmax/BRA), 01h28’43”
7) João Gaspar* (Ironage/Colner/BRA), 01h28’43”
8) Omar Bertazzo (Androni Giocattoli/ITA), 01h28’43”
9) Juan Villegas (4-72 Colombia/COL), 01h28’43”
10) Edgardo Simon (Ironage/Colner/BRA), 01h28’43”
Classificação Geral Individual após oito etapas
1) Magno Nazaret (Funvic Brasilinvest/São José dos Campos/BRA), 21h54’38” -
2) Alex Diniz Correia (Funvic Brasilinvest/São José dos Campos/BRA), 21h56’05” +00h01’27”
3) João Gaspar* (Ironage/Colner/BRA), 21h57’07” +00h02’29”
4) Oscar Miguel Sevilla (EPM/Une Ciclismo/Colômbia/COL), 21h57’17” +00h02’39”
5) Willian Chiarello (São Lucas/Giant/Bontranger/Americana/BRA), 21h59’03” +00h04’25”
6) Walter Pedraza Morales (EPM/Une Ciclismo/Colômbia/COL), 22h02’31” +00h07’53”
7) Alan Maniezo (São Lucas/Giant/Bontranger/Americana/BRA), 22h02’45” +00h08’07”
8) Juan Villegas (4-72 Colombia/COL), 22h03’24” +00h08’46”
9) Yonder Godoy (Androni Giocattoli/ITA), 22h03’43″ + 00h09’26″
10) Gregolry Panizo (Clube Dataro de Ciclismo/Bottecchia/BRA), 22h04’04” +00h09’26”
Classificação Geral de Montanha:
1) João Gaspar (Ironage/Colner/BRA), 25
2) José Eriberto Rodrigues (Ironage/Colner/BRA), 12
3) Oscar Eduardo Sanches Guarin (Funvic Brasilinvest/São José dos Campos/BRA), 12
Classificação Geral por Pontos:
1) Alex Diniz Correia (Funvic Brasilinvest/São José dos Campos/BRA), 37
2) Magno Nazaret (Funvic Brasilinvest/São José dos Campos/BRA), 33
3) Flávio Cardoso Santos (Funvic Brasilinvest/São José dos Campos/BRA), 25
Classificação Geral por equipes após oito etapas:
1) Funvic Brasilinvest/São José dos Campos(BRA), 65h48’07” -
2) EPM/Une Ciclismo/Colombia(COL), 66h08’16” 00h20’09”
3) Clube Dataro de Ciclismo/Bottecchia(BRA), 66h12’00” 00h23’53”
4) 4-72 Colombia(COL), 66h17’37” 00h29’30”
5) São Lucas/Giant/Bontranger/Americana(BRA), 66h18’39” 00h30’32”
6) Ironage/Colner(BRA), 66h25’31” 00h37’24”
7) Androni Giocattoli(ITA), 66h31’43” 00h43’36”
8) Russian National Team(RUS), 66h51’26” 01h03’19”
9) Brasilinvest/Suzano/Eqmax(BRA), 66h55’16” 01h07’09”
10) São Francisco Saúde/Açúcar Caravelas/Gold Meat/SME (BRA), 67h01’40” 01h13’33”
11) Velo/Seme Rio Claro(BRA), 67h31’38” 01h43’31”
12) Equipe UFF de Ciclismo(BRA), 67h56’42” 02h08’35”
13) ADF/Bauducco/KJKS/Sil(BRA), 67h59’03” 02h10’56”
Visite o site oficial

Dos 151 que largaram, só 78 terminaram a Volta de São Paulo

Edição 2014 apostou em novos percursos, incluindo subida a Monte Verde (MG) pela 1ª vez

Pelotão na última etapa, no Centro de São Paulo Foto: Sérgio Shibuya
Pelotão na última etapa, no Centro de São Paulo Foto: Sérgio Shibuya
Do Bikemagazine
Foto de divulgação
Dos 151 ciclistas que largaram na 10ª edição do Tour do Brasil/Volta de São Paulo, só 78 completaram a corrida de oito etapas. A maior debandada ocorreu neste domingo (16 de fevereiro), na última etapa, disputada no Centro Histórico de São Paulo, na qual 25 atletas abandonaram e 2 não largaram. Muitos preferiram abandonar tanto pelo forte ritmo do circuito tanto pelo risco de quedas por causa do asfalto molhado.
Nas 3 primeiras etapas, 14 ciclistas saíram da disputa. Na 4ª etapa, na prova de contrarrelógio individual, houve o 2º maior desfalque, com 14 ciclistas “fora do tempo limite”, segundo o boletim, mas que, na verdade, segundo apurou o Bikemagazine, foram flagrados pelos comissários pegando vácuo de automóveis e também de outros atletas.
Entre os que abandonaram no finalzinho está Rodrigo do Nascimento, da equipe de Ribeirão Preto, que foi obrigado a desistir da disputa após uma queda na 7ª etapa, no sábado (15 de fevereiro). O ciclista, que brigava pelas cinco primeiras posições na classificação geral, sofreu uma lesão no cotovelo. “O Rodrigo treinou muito para a Volta e merecia terminar entre os melhores. Infelizmente, essas coisas acontecem no ciclismo e não podem apagar toda a luta da equipe nesses oito dias de disputa”, afirmou Marcelo Donnabela, técnico da equipe.
A edição 2014 da Volta de São Paulo apostou em novidades no percurso. Em 7 etapas na estrada e um contrarrelógio individual, a competição passou por destinos já conhecidos, como Sorocaba e Atibaia, e novas cidades, como Barueri, Botucatu, Brotas e Águas de Lindoia, além da mineira Monte Verde, estreante no percurso.
A ida a Monte Verde entrou no lugar da subida da serra de Campos do Jordão. Com largada de Atibaia e chegada a 1.512 metros sobre o nível do mar, a jornada foi toda em subida. A subida pra valer começou com 74,7 quilômetros percorridos. O ponto mais alto da etapa foi no KM 93,8 do trajeto, a 1.562 metros sobre o nível do mar.
Das 20 equipes na disputa, 14 eram brasileiras e 6 estrangeiras.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Suporte de Teto Para Bicicleta Com Sistema de Elevação

Adquira já o seu na Pedal Peças (84)3321-2652

Suporte de Teto Para Bicicleta Com Sistema de Elevação
Descrição
Suporte de teto para bicicleta com sistema de elevação com roldanas.
Seguro, resistente e ocupa menos espaço.
Ganchos revestidos com borracha para evitar arranhões. Pode ser instalado em tetos com até 4 m de altura.
Acessórios para montagem fornecidos com o produto.
Especificação
Carga Suportada: 20 kg
Quantidade por embalagem: 1 unidade
Disponível na cor preta
Sujeito à disponibilidade de estoque


Peso (kg)
1,700

Henrique Avancini apresenta sua nova Caloi Elite Team Carbon

Após vitória na Copa Chile, biker aproveita a ocasião para mostrar sua nova bike

Henrique Avancini apresenta sua Caloi para a temporada 2014
Henrique Avancini apresenta sua Caloi para a temporada 2014
Fotos de divulgação
Após a vitória na Copa Chile Internacional, no sábado (8 de fevereiro), o biker Henrique Avancini aproveitou a ocasião para apresentar a Caloi Elite Team Carbon que vai usar na temporada 2014.
Na Brasil Cycle Fair do ano passado, em entrevista ao Bikemagazine, Avancini contou que ajudou no projeto de desenvolvimento da nova Elite Team, que leva as cores da equipe Caloi, pesa na casa dos 10 quilos, ganhou componentes top e custa em torno de R$ 15 mil.
Segundo Eduardo Rocha, diretor de marca da Caloi, a edição será limitadíssima para “uso civil”.
Veja o depoimento, publicado em sua página no Facebook:
Avancini na Copa Chile
Avancini na Copa Chile
Por Henrique Avancini
“O novo quadro é o Caloi Elite Team Carbon, com BB30 e fator Q de 156mm(perfeito!).
O grupo de transmissão é o XX1, que pra mim é a mais nova revolução em transmissões. O sistema X-sync é realmente outro nível: silencioso, preciso e rápido, principalmente com os trocadores Grip Shift. Gostei muito!
Freios Avid XX. Suspensão SID XX WC (crow e espiga em carbono), meu mecânico adaptou ela para 90mm ao invés dos 100mm originais.
Rodas SRAM Rise 60. São rígidas e comportam um enorme volume de ar o que é importantíssimo para uma melhor rolagem.
Selim Fizik Tundra que será substituído pelo Tundra 00. E acessórios Crank Brothers Cobalt 11.
Os pneus são da Continental. Pra essa prova usei X-King(frente) e Race-King(tras.), ambos na versão Protection 2.2, que são os mais seguros.
O campeão brasileiro de MTB Henrique Avancini na Copa Chile
O campeão brasileiro de MTB Henrique Avancini na Copa Chile
O peso da bike varia de acordo com a escolha de pneus, pesando aprox. entre 8.9 – 9.4kg.
Essa é minha bike pra 2014…
O uniforme é o layout de campeão brasileiro confeccionado pela Barbedo Sports, que é a parceria mais longa da minha carreira somando 8 anos de parceria… Eu acho esse o uniforme mais bonito que eu já usei.”

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Ponte circular suspensa na Holanda promete pedalada segura

Conheça o projeto Hovering, instalado em cidade da Holanda

Que tal pedalar em uma ponte suspensa? Os holandeses já têm a sua
Que tal pedalar em uma ponte suspensa? Os holandeses já têm a sua
Do Bikemagazine
Foto de divulgação
O Hovenring, na cidade holandesa Eidhoven, é um projeto de ciclovia que surge como uma promessa de pedalada segura e prazerosa.
A estrutura montada acima da estrada foi projetada por uma equipe de design da empresa ipv Delft e, atualmente, paira sobre um cruzamento de uma estrada bem movimentada que, inclusive, já registrou muitos acidentes com ciclistas.
A estrutura tem 72 metros de diâmetro.
Veja o vídeo